Área em restauração florestal recebe monitoramento e manutenção da Copaíba

A restauração florestal é um processo lento. Levam-se anos para conseguir obter resultados dessa ação. O projeto “Restauração Florestal de nascentes e córregos afluentes do Rio do Peixe”, executado pela Copaíba, com recurso financeiro do FEHIDRO (Fundo Estadual de Recursos Hídricos do Estado de São Paulo), através do Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Mogi Guaçu, não é diferente. Ele teve início em março de 2016 e até hoje a equipe de restauração florestal realiza ações na área.

Recentemente tanto a equipe técnica quanto a equipe de campo estiveram novamente desenvolvendo ações de monitoramento e manutenção das mudas mais de 16 mil mudas plantadas em 10 hectares de Áreas de Preservação Permanente.

Para manutenção da área é necessário o controle da braquiária, que cresce muito rápido e pode competir com as mudas no campo. Além disso, são feitas adubações para ajudar no crescimento das mudas e o controle das formigas cortadeiras, que podem prejudicar as mudas se estiverem em desequilíbrio com o meio.

Esse projeto tem como objetivo contribuir para a restauração das matas ciliares da bacia do Rio do Peixe, importante afluente do Rio Mogi Guaçu. Para a execução desse trabalho, a Copaíba conta com o apoio do Programa Clickarvore da Fundação SOS Mata Atlântica.

Em breve uma nova floresta de mais de 100.000 m2 de áreas estará desempenhando sua função, ou seja, de proteção do solo, conservação da água e abrigo da fauna silvestre.

*foto: Equipe de restauração florestal

Compartilhar

Comentários