CGHs Limoeiro e Cachoeirinha ainda causam polêmica

Copaíba recebe resposta da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SEMAD) de Minas Gerais sobre a operação das Centrais Geradoras Hidrelétricas (CGHs) localizadas em Bueno Brandão/MG

Há  alguns anos,  depois de  muita discussão e mobilização popular contrária, as CGHs Limoeiro e Cachoeirinha foram instaladas na cachoeira do Limoeiro  e  no rio  Cachoeirinha, ambas  no munícipio de Bueno Brandão/MG.

Desde  a  época  do  projeto de  construção e a apresentação  dos  estudos  ambientais para a implantação desse empreendimento, em 2009, a Copaíba acompanha de  perto  esse  processo em  virtude  da  solicitação  da população, mas principalmente  pelo  cumprimento  de  sua missão institucional: de conservar e restaurar a Mata  Atlântica  das  bacias dos rios do Peixe e Camanducaia.

De lá pra cá muitos embates foram vivenciados, desde manifestações populares, que movimentaram  centenas  de pessoas pelas ruas, contra esse  empreendimento,  até  participações em reuniões do Conselho  de  Política  Ambiental – COPAM,  em  Varginha/MG.  Sempre  existiu  a preocupação com a conservação dessas áreas e com a vazão de água dos rios após a construção dessas barragens. Desde então, após  a  instalação, a  vazão  de  água  nesses  trechos  oscila constantemente enquanto as hidrelétricas operam.

Por conta disso, frequentemente a Copaíba recorre aos órgãos ambientais competentes para saber sobre as compensações ambientais, solicitando fiscalização e a tomada de providências cabíveis caso seja contatada alguma irregularidade de operação das CGHs.

Nessa semana a Copaíba recebeu da SEMAD de Minas Gerais, em resposta a um ofício, encaminhado em 2013, o relatório encaminhado pela Superintendência Regional de Regularização Ambiental – SUPRAM Sul de Minas comunicando as autuações que ambas as CGHs receberam por estarem descumprindo as exigências das licenças de operação. Dentre as autuações, consta a falta de monitoramento da vazão da água à montante e a jusante da barragem, incluindo o monitoramento da vazão residual mínima de 0,30m3/s, que deve ser mantida. Além dessas, outras irregularidades foram constatadas e estão sendo cobradas pelos órgãos públicos.

A Copaíba, pelo bem da natureza e consequentemente pelo bem da sociedade, sempre se posicionou contraria a instalação dessas CGHs na região, participando ativamente do Movimento Cachoeiras Vivas. Mesmo com a autorização da construção das hidrelétricas nos rios, a instituição acompanha e continuará acompanhando, em conjunto com cidadãos e empresários, o cumprimento das exigências dos órgãos ambientais, para evitar mais prejuízos ao meio ambiente.

Compartilhar

Comentários