Decretada Restrição de água do Rio Camanducaia

A falta de chuvas somada as degradações ambientais na região comprometem o abastecimento de água em dez cidades

A crise hídrica que vem ocorrendo desde 2013 e está se estendendo até hoje, toma mais espaço na mídia e é assunto de pauta de qualquer setor produtivo, seja agricultura, indústria ou comércio. E para preocupação de todos, essa crise é reflexo da falta de ações preventivas e nos custará um preço muito alto.

O Rio Camanducaia, um importante afluente do Rio Jaguari, nasce em Toledo/MG e desagua em Jaguariúna/SP no próprio Jaguari, este, ao se juntar com o rio Atibaia, forma o rio Piracicaba. Toda essa região, que incluí a região metropolitana de Campinas, é abastecida pelas nascentes e cursos d’água dos municípios à montante, como Socorro, Serra Negra, Monte Alegre do Sul, Pedra Bela, Pinhalzinho, e Amparo. São as nascentes e córregos da nossa região que contribuem para a manutenção da vazão de água desses rios maiores, como o Piracicaba.

Para não faltar água nos grandes centros, que geraria um prejuízo enorme ao Estado de São Paulo, a Agência Nacional de Águas (ANA) e o Departamento de Água e Energia Elétrica (DAEE) decretaram restrição de captação de água no rio Camanducaia. Segundo a resolução da ANA e DAEE, neste regime de restrição, ocorrerão 20% de redução na captação para uso humano; 30% de queda para uso na indústria e 30% para irrigação.

O que isso significa?  Estamos falando de uma região produtora de água, rica em recursos naturais e hídricos, na Serra da Mantiqueira (Serra “que chora”,  devido a grande quantidade de água). Essa região está tendo seu uso de água restringido pelo Governo, para não faltar água!

A restrição é uma medida importante e provisória, mas outras ações são de extrema importância e urgência.  A restauração florestal de nascentes e cursos d’água contribui fortemente para reduzir esse problema.  A Copaíba vem ao longo dos anos recuperados áreas degradadas, no entorno de nascentes e margens de córregos e rios, visando também a conservação dos mananciais.  Para a Copaíba, que tem em sua missão conservar e restaurar a Mata Atlântica das bacias dos rios do Peixe e Camanducaia, a crise se torna uma oportunidade para reverter essa situação. “Ações preventivas que garantam a quantidade e a qualidade das águas da região devem ser priorizadas. Por isso os plantios de mudas nativas são tão importantes”, comenta Flávia Balderi, secretária executiva da Copaíba.

A situação atual é bastante crítica, parte dos municípios do Circuito das Águas Paulista estão inseridos na bacia do Rio Camanducaia. Nessas áreas estão localizados diversos bairros rurais que dependem fortemente das águas desse Rio e de seus afluentes, para manter suas atividades agrícola e pecuária. Muitas famílias estarão restritas ao uso da água para manterem sua produção. O impacto negativo econômico para o município poderá ser grandioso.

A problemática que a região está enfrentando é iminente e a oportunidade de reverter essa situação sobrepõe qualquer prioridade. É hora de somarmos força pela conservação da água e da nossa qualidade de vida. Vamos refletir sobre isso.

Essas e outras atividades da Copaíba podem ser acompanhadas também pelo facebook/associacaoambientalistacopaiba

Compartilhar

Comentários