Período de chuvas favorecem as atividades de restauração florestal

Há muito o que fazer nos períodos de chuva! Tanto a produção das mudas nativas no Viveiro Florestal Copaíba, quanto a restauração florestal estão com atividades a todo vapor. As equipes do viveiro e de campo fazem um trabalho reforçado para que a instituição cumpra seus compromissos assumidos com colaboradores, parceiros e financiadores.

Recentemente, dois projetos executados pela Copaíba que recebem apoio financeiro do FEHIDRO (Fundo Estadual de Recursos Hídricos) de São Paulo, iniciaram as atividades de manutenção das áreas que já foram plantadas. São eles: projeto “Restauração das matas ciliares de nascentes e cursos d’água na bacia do Rio do Peixe” (contrato 292/2014 – Código MOGI 417) e projeto “Restauração Florestal de nascentes e córregos afluentes do Rio do Peixe” (Mogi 476 – Contrato nº 186/2015)”.

Esses dois projetos juntos somam uma área de 20 hectares de novas florestas em formação. Foram plantadas quase 30 mil mudas nessas áreas para conservação de 13 nascentes de córregos afluentes do Rio do Peixe. “A mata ciliar exerce grande papel na proteção dos cursos d’água e é fator fundamental para preservação da água, em quantidade e qualidade, consequentemente os benefícios da restauração florestal, realizada nessas propriedades, serão compartilhados por toda microbacia”, comenta Ana Paula Balderi, coordenadora dos projetos.

A Copaíba vem realizando diversas ações voltadas à conservação dos recursos hídricos desde 2005. De lá para cá, a instituição mantém em processo de restauração cerca de 60 hectares (600 mil m2) de mata nativa, só nessa microbacia, onde foram plantadas 70 mil mudas.

Compartilhar

Comentários